Após termos conhecido o funcionamento do corpo durante a ação de cantar, vamos aprender um pouco sobre a mais importante função na produção da voz: a respiração.

O Diafragma

O ato de respirar envolve dois movimentos muito importantes: inspiração e expiração. Quando o ar entra no corpo ocorre a inspiração; quando ele sai, o expiramos. É durante a expiração que a voz surge. Nestes dois movimentos, o diafragma exerce grande participação.

Este músculo separa a cavidade torácica da abdominal. Durante a inspiração, o diafragma desce até o abdômen, permitindo a entrada de ar nos pulmões. Vemos isso quando o ar entra em nosso corpo e o abdômen sofre uma pequena saliência ou elevação, como se todo o ar tivesse enchido nossa barriga.

Ao contrário do que acontece durante a inspiração, o diafragma, no processo de expiração, apoia e pressiona a coluna de ar, que passa através das cordas vocais, produzindo o som da voz.

Para compreendermos, vamos pensar em uma cama elástica. Quando pulamos sobre ela, seu corpo cede, sendo abaixado pelo impacto causado pelo nosso corpo, permitindo assim que desçamos para que, em seguida, subamos, sendo literalmente lançados por ela.

O diafragma funciona de maneira semelhante. Quando o ar entra, ele abaixa; quando sai o ar, ele sobe, lançando o ar até a saída do corpo.

Por isso, o cantor precisa aprender a utilizar corretamente este músculo, pois do contrário, a garganta será sobrecarregada, causando assim grande esforço na saída da voz. É preciso aprender a respirar corretamente para que o processo de cantar seja realizado com perfeição.

A respiração

Algumas pessoas acreditam que a capacidade torácica indica a qualidade do cantor. Quanto mais ar ele consegue armazenar nos pulmões, mais tempo ele pode passar sem respirar e, desta maneira, cantar melhor. Claro que a capacidade pulmonar é importante, mas ela não é o elemento principal do canto.

Na verdade, existem três tipos de respiração, que podem ser utilizadas durante o canto: a torácica (ou pulmonar), a intercostal e a diafragmática, que temos abordado durante este texto.

Neste tipo de respiração, o ar entra no corpo, desce até o abdômen e, com o apoio do diafragma, o ar é devolvido, produzindo o som ao passar pelas cordas vocais. Ela é extremamente importante porque auxilia no controle do ar, sobretudo na expiração.

Aliás, quanto mais controle do ar a pessoa adquire, mais domínio de voz ela tem, já que cada altura ou intensidade sonora requer uma certa energia, fornecida pela quantidade de ar. Controlar o ar significa manter a eficiência sonora e, por isso o diafragma é importante.

Para iniciar o aprendizado sobre o bom uso do diafragma, sugerimos alguns exercícios de respiração.

  1. Posicione-se corretamente (de preferência em pé);
  2. Coloque uma das mãos na barriga, próxima ao umbigo e a outra entre o tórax e o abdômen;
  3. Inspire profundamente pelo nariza boca, pensando em lançar o ar para a barriga.
  4. Segure o ar por algum tempo.
  5. Solte-o sem pressa. Se quiser, emita algum som.

Neste exercício simples, a mão que posicionou-se entre o tórax e o abdômen deve ter percebido o funcionamento do diafragma. Quando o ar entra, ele abaixou e, quando o ar saiu, ele subiu.

Repare que, neste exercício, não foi o tórax que cresceu, com a entrada de ar, e sim a barriga. Isso se deve ao fato de que o ar foi lançado para o abdômen, através da respiração diafragmática.

Para melhorar este aprendizado, refaça o exercício com uma pequena alteração. Ao soltar o ar (escolha cantar alguma canção), force a barriga. Você poderá perceber duas mudanças, com relação ao último exercício. A primeira é que o ar, aparentemente saiu com mais força, mais força e, para que não esgotasse rapidamente, foi preciso controle. Com isso, você foi apresentado ao inicio do conceito sobre o controle de ar, na expiração, realizada pelo diafragma.

A segunda e importante lição é que o som ganhou mais peso e não prejudicou a garganta durante a sua passagem. Esta é a vantagem do correto uso do diafragma. O apoio do ar ficou todo com a responsabilidade do músculo correto.

A última dica é, estude e pratique bastante, sobretudo à “ginástica respiratória”, isto fará com que domine cada vez mais suas performances e evite qualquer constrangimento ao cantar, seja por respirar errado ou fazer mal uso das técnicas.

Respira melhor quem sabe puxar a quantidade de ar necessária ao som que será produzido, usando o apoio correto na execução vocal.

E você, dá a devida atenção ao funcionamento do aparelho respiratório ao cantar? Deixe abaixo nos comentários e compartilhe nossos artigos com seus amigos.

Comentários do Facebook

Comentários

Uma Nova Forma de Aprender Música!

Descubra os conteúdos exclusivos da Escola Virtual de Música. Comece Baixando Grátis os 'Guias Práticos de Primeiros Passos'.

Insira seus dados abaixo para fazer sua inscrição:

Sucesso! Obrigado pelo seu cadastro.

Pin It on Pinterest

Shares
Share This